CAPÍTULO LIV – PANEGÍRICO DE SANTA MÔNICA

 

No seminário… Ah! não vou contar o seminário, nem me bastaria a isso um capítulo. Não, senhor meu amigo; algum dia, sim, é possível que componha um abreviado do que ali vi e vivi, das pessoas que tratei, dos costumes, de todo o resto. Esta sarna de escrever, quando pega aos cinqüenta anos, não despega mais. Na mocidade é possível curar-se um homem dela; e, sem ir mais longe, aqui mesmo no seminário tive um companheiro que compôs versos, à maneira dos de Junqueira Freire, cujo livro de frade-poeta era recente. Ordenou-se; anos depois encontrei-o no coro de São Pedro e pedi-lhe que me mostrasse os versos novos.

— Que versos? perguntou meio espantado.

— Os seus. Pois não se lembra que no seminário…

— Ah! sorriu ele.

Sorriu, e continuando a procurar num livro aberto a hora em que tinha de cantar no dia seguinte, confessou-me que não fizera mais versos depois de ordenado.

Foram cócegas da mocidade; coçou-se, passou, estava bom. E falou-me em prosa de uma infinidade de coisas do dia, a vida cara, um sermão do Padre X…, uma vigairaria mineira…

Contrário a isso foi um seminarista que não seguiu a carreira. Chamava-se… Não é preciso dizer o nome; baste o caso. Tinha composto um Panegírico de Santa Mônica, elogiado por algumas pessoas e então lido entre os seminaristas. Alcançou licença de imprimi-lo, e dedicou-o a Santo Agostinho. Tudo isso é história velha; o que é mais moço é que um dia, em 1882, indo ver certo negócio em repartição de marinha, ali dei com este meu colega, feito chefe de uma seção administrativa. Deixara seminário, deixara letras, casara e esquecera tudo, menos o Panegírico de Santa Mônica, umas vinte e nove páginas, que veio distribuindo pela vida fora. Como eu precisasse de algumas informações, fui pedir-lhas, e seria impossível achar melhor nem mais pronta vontade; deu-me tudo, claro, certo, copioso. Naturalmente conversamos do passado, memórias pessoais, casos de estudo, incidentes de nada, um livro, um verbo, um mote, toda a velha palhada saiu cá fora, e rimos juntos, e suspiramos de companhia. Vivemos algum tempo do nosso velho seminário. Ou porque eram dele, ou porque éramos então moços, as recordações traziam tal poder de felicidade que, se alguma sombra contrária houve então, não apareceu agora. Ele confessou-me que perdera de vista todos os companheiros do seminário.

— Também eu, quase todos; uma vez ordenados, voltaram naturalmente às suas províncias, e os daqui tomaram vigairarias fora.

— Bom tempo! suspirou ele.

E, após alguma reflexão, fitando em mim uns olhos murchos e teimosos, perguntou-me:

— Conservou o meu Panegírico?

Não achei nada que dizer; tentei mover os beiços, mas não tinha palavra; afinal, perguntei:

— Panegírico? Que panegírico?

— O meu Panegírico de Santa Mônica.

Não me lembrou logo, mas a explicação devia bastar; e depois de alguns instantes de pesquisa mental, respondi que por muito tempo o conservara, mas as mudanças, as viagens…

— Hei de levar-lhe um exemplar.

Antes de vinte e quatro horas estava em minha casa, com o folheto, um velho folheto de vinte e seis anos, encardido, manchado do tempo, mas sem lacuna, com uma dedicatória manuscrita e respeitosa.

— É o penúltimo exemplar, disse-me; agora só me resta um, que não posso dar a ninguém.

E como me visse folhear o opúsculo:

— Veja se lhe lembra algum pedaço, disse-me.

Vinte e seis anos de intervalo fazem morrer amizades mais estreitas e assíduas, mas era cortesia, era quase caridade recordar alguma lauda; li uma delas, acentuando certas frases para lhe dar a impressão de que achavam eco em minha memória. Concordou que fossem belas, mas preferia outras, e apontou-as.

— Recorda-se bem?

— Perfeitamente. Panegírico de Santa Mônica! Como isto me faz remontar os anos da minha mocidade! Nunca me esqueceu o seminário, creia. Os anos passam, os acontecimentos vêm uns sobre outros, e as sensações também, e vieram amizades novas, que também se foram depois, como é lei da vida… Pois, meu caro colega, nada fez apagar aquele tempo da nossa convivência, os padres, as lições, os recreios… os nossos recreios, lembra-se? o Padre Lopes, oh! o Padre Lopes…

Ele, com os olhos no ar, devia estar ouvindo, e naturalmente ouvia, mas só me disse uma palavra, e ainda assim depois de algum tempo de silêncio, recolhendo os olhos e um suspiro!

— Tem agradado muito este meu Panegírico!

zcaricatura1

Recomendamos para você:

 

Filosofia Grega

Civilização Romana – Império Romano

Idade Média

Império Bizantino

Civilização Islâmica

Mesopotâmia

Egito Antigo

Hebreus – Judaísmo

Grécia Antiga

Mitologia Grega

Swish Swish – Katy Perry feat. Nicki Minaj

Swish Swish – Estrelando Gretchen

Swish Swish – Estrelando Gretchen

História Resumo

Cronologia do Universo

Cronologia da Terra

Pré-História

Idade Antiga

Idade das Religiões

Versos íntimos – Augusto dos Anjos

O Navio Negreiro

Real Hitta – Plies feat. Kodak Black

It Ain’t My Fault – Brothers Osborne

What Ifs – Kane Brown Featuring Lauren Alaina

Feel It Still – Portugal. The Man

My Old Man – Tradução em Português

Relationship – Tradução em Português

First Day Out – Tradução em Português

Billboard Hot 100

It’s A Vibe – Tradução em Português

Feels – Tradução em Português

Wild Thoughts – DJ Khaled feat. Rihanna & Bryson Tiller

Wild Thoughts – Tradução em Português

Wild Thoughts – La traducción en Español

Wild Thoughts – Song Lyrics

Sanderlei Silveira

Slippery – Migos Featuring Gucci Mane

Bad And Boujee – Migos Featuring Lil Uzi Vert

Closer – The Chainsmokers ft. Halsey

Mask Off – Future

Chill Bill – Rob $tone ft. J. Davi$ & Spooks

Sanderlei Silveira

Canção do exílio – Gonçalves Dias

Amor é fogo que arde sem se ver

Marabá Poema – Gonçalves Dias

Versos íntimos – Augusto dos Anjos

Ismalia – Alphonsus de Guimaraens

Sanderlei Silveira

O município e sua administração (SP)

O Turismo no estado de São Paulo

O município e sua administração (SC)

Turismo em Santa Catarina

Mato Grosso do Sul – representação e localização

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul

A organização do espaço geográfico brasileiro

A erva-mate na história do estado do Paraná

Swish Swish – Estrelando Gretchen

Amor é fogo que arde sem se ver – Luís Vaz de Camões

Economia

SONG LYRICS

POEMA

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

O Diário de Anne Frank – Fotos

HISTÓRIA

HISTORY

HISTORIA

#JustGo

#Sanderlei

#SanderleiSilveira

by Sanderlei Silveira –  http://sanderlei.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s