CAPÍTULO LII – O VELHO PÁDUA

 

Já agora conto também os adeuses do velho Pádua. Logo cedo veio à nossa casa. Minha mãe disse-lhe que fosse falar-me ao quarto.

— Dá licença? perguntou metendo a cabeça pela porta.

Fui apertar-lhe a mão; ele abraçou-me com ternura.

— Seja feliz! disse-me. A mim e a toda a minha gente creia que ficam muitas saudades. Todos nós estimamos muito ao senhor, como merece. Se lhe disserem outra coisa, não acredite. São intrigas. Também eu, quando me casei, fui vítima de intrigas; desfizeram-se. Deus é grande e descobre a verdade. Se algum dia perder sua mãe e seu tio, — coisa que eu, por esta luz que me alumia, não desejo, porque são boas pessoas, excelentes pessoas, e eu sou grato às finezas recebidas… Não, eu não sou como outros, certos parasitas, vindos de fora para desunião das famílias, aduladores baixos, não; eu sou de outra espécie; não vivo papando os jantares nem morando em casa alheia… Enfim, são os mais felizes!

— Por que falará assim? pensei. Naturalmente sabe que José Dias diz mal dele.

— Mas, como ia dizendo, se algum dia perder os seus parentes, pode contar com a nossa companhia. Não é suficiente em importância, mas a afeição é imensa, creia. Padre que seja, a nossa casa está às suas ordens. Quero só que me não esqueça; não esqueça o velho Pádua…

Suspirou e continuou:

— Não esqueça o seu velho Pádua, e, se tem algum trapinho que me deixe em lembrança, um caderno latino, qualquer coisa, um botão de colete, coisa que já lhe não preste para nada. O valor é a lembrança.

Tive um sobressalto. Havia embrulhado em um papel um cacho dos meus cabelos, tão grandes e tão bonitos, cortados na véspera. A intenção era levá-los a Capitu, ao sair; mas tive idéia de dá-lo ao pai, a filha saberia tomá-lo e guardá-lo. Peguei do embrulho e dei-lho.

— Aqui está, guarde.

— Um cachinho dos seus cabelos! exclamou Pádua abrindo e fechando o embrulho. Oh! obrigado! obrigado por mim e pela minha gente! Vou dá-lo à velha, para guardá-lo, ou à pequena, que é mais cuidadosa que a mãe. Que lindos que são! Como é que se corta uma beleza destas? Dê cá um abraço! outro! mais outro! adeus!

Tinha os olhos úmidos deveras; levava a cara dos desenganados, como quem empregou em um só bilhete todas as suas economias de esperanças, e vê sair branco o maldito número, — um número tão bonito!

zMachado-008

Recomendamos para você:

 

História

Cronologia da Terra

Just Go #JustGo

Despacito Remix – Luis Fonsi Feat. Justin Bieber, Daddy Yankee

Top 10 – Poemas

LETRAS DE MÚSICAS – SONG LYRICS

Despacito Remix – Tradução em Português – Luis Fonsi Feat. Justin Bieber, Daddy Yankee

Amor é fogo que arde sem se ver – Luís Vaz de Camões

Amor é fogo que arde sem se ver – Luís Vaz de Camões

O Navio Negreiro – Castro Alves

O Navio Negreiro – Castro Alves

Canção do exílio – Gonçalves Dias

Sanderlei Silveira

Canção do exílio – Gonçalves Dias

Canção do exílio – Gonçalves Dias

Prédios mais altos do mundo

As festas populares em Santa Catarina

As festas populares no estado de São Paulo

As festas populares no estado do Paraná

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas no estado de Santa Catarina

As atividades econômicas do estado de São Paulo

As atividades econômicas do Mato Grosso do Sul

Sanderlei Silveira

As atividades econômicas do estado do Paraná

Clima e relevo no estado de Santa Catarina

O relevo do estado de São Paulo

Relevo do estado de Mato Grosso do Sul

Clima e relevo do estado do Paraná

Biblia Sagrada – João Ferreira de Almeida

O Diário de Anne Frank

Aruba

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

Sanderlei Silveira

Os imigrantes e o trabalho assalariado no século XIX em São Paulo

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Biomas brasileiros

Poesia

Poemas

Poetry

Sanderlei Silveira

Sanderlei Silveira

OLHOS DE RESSACA

História em 1 Minuto

Sanderlei Silveira

Jane Austen

Paraná – Conheça seu Estado (História e Geografia)

Song Lyrics – Letras Música – Tradução em Português

Snow Birds – Louis Honoré Fréchette

Migos

Economia

BÍBLIA ONLINE

DOM CASMURRO

Memórias Póstumas de Brás Cubas

by Sanderlei Silveira –  http://sanderlei.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s